Anvisa aprova fim da exigência de máscara em aeroportos

Item de proteção, no entanto, continua sendo recomendado pelas autoridades de saúde brasileiras.

Após mais de dois anos, as máscaras deixarão de ser obrigatórias nos aviões e nos aeroportos do Brasil. Por unanimidade, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou nesta quarta-feira (17/08) o fim da exigência do item de proteção. As medidas entram em vigor assim que forem publicadas no Diário Oficial da União.

Apesar do fim da obrigatoriedade, as máscaras faciais e o distanciamento social continuarão a ser recomendados como medidas para minimizar o risco de transmissão da covid-19. A medida foi aprovada pelos cinco diretores da agência.

Mesmo com o fim da obrigatoriedade das máscaras, uma série de protocolos em vigor desde o início da pandemia de covid-19 foi mantida, como a disponibilização de álcool em gel em aeroportos e aeronaves, a realização de procedimentos de limpeza e desinfecção, o funcionamento otimizado de sistemas de climatização e o desembarque organizado por fileiras.

Cenário epidemiológico favorável 

Em documento, a Anvisa justificou que o cenário epidemiológico atual permite que algumas medidas sanitárias tomadas em 2020 sejam atualizadas, como o uso obrigatório das máscaras.

“Diante do atual cenário, o uso de máscaras, adotado até então como medida de saúde coletiva, é convertido em medida de proteção individual”, destacou a Anvisa.

A máscara nos terminais aéreos e nos aviões já deixou de ser exigida em alguns países, como Estados Unidos, França, Reino Unido e Portugal.

Em maio, a Anvisa liberou o serviço de bordo e autorizou o uso da capacidade máxima de passageiros nos aviões, mas manteve o uso de máscaras em aviões e áreas restritas de aeroportos.

De acordo com o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), o Brasil registra oficialmente 34.233.207 casos confirmados de covid-19 e 682.010 mortes relacionadas à doença – sendo 247 nas últimas 24 horas. 

Deutsche Welle, le (Agência Brasil, ots)