A etnia indígena brasileira à beira da extinção que pode estar reduzida a só 3 pessoas

Imagem: Bruno Jorge, BBC Brasil

“Eu estou preocupado com eles. Eles serão mortos e não haverá mais nenhum de nós.”

Quando Rita Piripkura falou à câmera, o que mais chamou atenção foi o tom de resignação em sua voz.

A idosa se referia ao irmão Baita e ao sobrinho Tamanduá em uma entrevista divulgada em setembro.

Os três são os últimos integrantes conhecidos do povo isolado Piripkura, uma tribo indígena do Centro-Oeste brasileiro que está sob ameaça de “extinção iminente” devido à pecuária e ao corte de madeira realizados de forma ilegal em sua reserva, segundo especialistas.

Imagem: rogerio de Assis – ISA

Enquanto Rita vive em contato regular com pessoas de fora, Baita e Tamanduá passam os dias vivendo isolados nessa parte do território amazônico.

Ela teme que a ocupação ilegal na reserva pode ser mortal para os dois.

Batalha perdida

Localizada em Mato Grosso, uma região vital para o agronegócio brasileiro, a reserva Piripkura está perdendo a batalha contra os invasores de seu território, apesar da proteção prevista por lei.

As incursões de fora contra o povo indígena não são um fenômeno recente, mas o ritmo de destruição se acelerou: a partir do relatório divulgado no começo de novembro pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), uma rede de organizações não-governamentais observou que uma área de 24 km² do território piripkura foi devastada apenas entre agosto de 2020 e julho deste ano.

Essa extensão equivale a mais de 3 mil campos de futebol.

Rita Piripkura teme pelas vidas de seu irmão e sobrinho. Imagem HELSON FRANÇA – OPAN

Enquanto outras reservas indígenas também lutam contra madeireiros, mineradoras e ocupações ilegais para pecuária e agricultura, o povo Piripkura enfrenta uma situação dramática.

“Eles estão à beira da extinção e podem ser mortos em questão de dias”, afirma Sarah Shenker, da entidade britânica Survival International, focada na proteção de povos indígenas.

“Os invasores estão se aproximando de Baita e Tamanduá a todo momento.”

Há fortes evidências de que pessoas de fora estejam ocupando partes da reserva, diz Leonardo Lenin, que trabalhou na Fundação Nacional do Índio (Funai) diretamente com tribos de Mato Grosso.

Hoje ele é secretário-geral do Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas (OPI), uma das organizações que produziram o relatório sobre a tribo Piripkura. De acordo com Lenin, o desmatamento foi constatado em áreas a cerca de 5 km de onde Baita e Tamanduá foram vistos ou deixaram marcas de sua presença.

O que parece ser uma distância segura é na verdade muito próximo — considerado que a área da reserva indígena tem 2.430 km².

“Eles estão sob grande perigo, não há dúvida disso”, afirma Lenin.

“Nós também ouvimos relatos vindos de funcionários da Funai e de agências ambientais sobre ameaças feitas pelos invasores.”

A difícil situação das tribos isoladas

Os Piripkura são um exemplo do que especialistas em questões indígenas chamam de tribos isoladas ou não-contactadas — povos ou grupos menores que não mantêm contato com vizinhos ou qualquer um do mundo exterior.

É estimado que existam mais de 100 desses grupos espalhados pelo mundo, e 50 deles estão localizados na região amazônica.

A atitude de isolamento é muitas vezes derivada de confrontos com invasores. Os Piripkura, por exemplo, já enfrentaram grandes problemas.

Nota da Redação: Em breve publicaremos a parte 2 desta matéria.

texto: Fernando Duarte, BBC Brasil. Imagem: Bruno Jorge.