Pandemia de covid-19 provoca em 2020 o maior aumento de mortes no Brasil desde 1984

Familiares de vítima de covid-19, sepultada no Rio de Janeiro, se apoiam em cemitério em imagem de abril de 2021Antonio Lacerda (EFE)

O registro de mortes no Brasil em 2020 cresceu 14,9%, se comparado aos dados de 2019 e atingiu o maior patamar desde 1984, segundo dados divulgados nesta quinta-feira pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) com base em informações dos cartórios.

No primeiro ano de pandemia, o país teve 1.513.575 registros de mortes. No ano anterior, foram 1.314.103. Os dados trazem um raio-x da crise provocada no Brasil pelo coronavírus, que chegou ao país no início do ano passado. Ele impactou não apenas na quantidade de mortes, mas também em questões relacionadas ao cotidiano das pessoas: os números de registros de nascimento e de casamento caíram no país.

Segundo o IBGE, a análise de dados por regiões aponta maior aumento de mortes no Norte, com 25,9%. Amazonas, onde a crise de oxigênio marcou o ponto mais nefasto da pandemia no país, teve o pior aumento entre os Estados (31,9%), seguido de Pará (27,9) e Mato Grosso (27,0%). Centro-Oeste (20,4%) e Nordeste (16,8%) também tiveram alta de óbitos superior à média do país. Já o Sudeste (14,3%) e Sul (7,5%) ficaram ligeiramente abaixo da média.

“A alta no número de óbitos observada entre 2019 e 2020 foi muito fora do comum quando vemos como foi esse movimento nos anos anteriores. Olhando desde 1984, mesmo que as séries mais antigas não sejam comparáveis com as atuais, pois o índice de sub-registro era muito alto, é possível observar que nunca antes tivemos uma variação acima de 7% de um ano para outro. Sendo que, em geral, o incremento ficava abaixo ou em torno de 3%. De 2010 a 2019, a média de variação foi de 1,8%”, analisa a gerente da pesquisa, Klívia Brayner.

O primeiro caso de covid-19 registrado no Brasil foi em fevereiro de 2020. Diante de políticas erráticas por parte do Governo Jair Bolsonaro, que demorou para comprar vacinas, e de um presidente negacionista, que promoveu aglomerações, foi contra os confinamentos impostos pelo Estado e relutou até a usar máscara, o país registrou seguidos recordes de mortes nos meses posteriores. O avanço da vacinação e as medidas de proteção começaram a mostrar efeito neste ano, quando os registros de óbitos pela doença começaram a diminuir. O país hoje acumula 611.851 mortes por covid-19 desde o início da pandemia. A média móvel de novos casos, no entanto, é, atualmente, a menor já registrada em um ano e meio.

Os dados do IBGE mostram ainda que o aumento de óbitos foi percentualmente maior entre homens (16,7%) do que entre mulheres (12,7%). E que a maior parte das mortes ocorreu na faixa dos 60 anos ou mais de idade, justamente os afetados de forma mais grave pelo vírus. Entre os que têm menos de 20 anos, houve redução das mortes entre 2019 e 2020. Cerca de 73,5% dos óbitos de 2020 ocorreram em hospitais e 20,7% em domicílios.

Menos nascimentos

Seguindo a tendência do que vem ocorrendo nos últimos anos, o Brasil registrou entre 2019 e 2020 uma queda de 4,7% nos registros de nascimento. Ao todo, nasceram 2.728.273 bebês no ano passado. O IBGE, entretanto, não descarta que parte dos nascimentos ocorridos em 2020 pode não ter sido registrado nos cartórios por causa da pandemia e da dificuldade deslocamentos. Em 2019, a redução havia sido de 3% em relação ao ano anterior. Norte e Nordeste tiveram as maiores quedas nos registros de nascimento, com 6,8% e 5,3%, respectivamente.

Os dados apontam ainda que o brasileiro casou menos em 2020. Foram registrados 757.179 ca­samentos civis —6.433 entre pessoas do mesmo sexo— , uma redução de 26,1% em relação a 2019. Desde 2015, o número de casamentos vem recuando, explica o instituto, mas o órgão afirma que queda atual “parece ter estreita relação com as medidas de isolamento social por causa da pandemia”.

Texto: Antonio Lacerda / EFE.