Covid: 8 medidas cruciais contra o coronavírus (que está mais presente no ar do que nas superfícies)

Os aerossóis permanecem flutuando no ar por minutos ou horas e, nesse tempo, podem percorrer vários metros

Que a covid-19 é transmitida principalmente pelo ar é uma realidade indiscutível neste momento.

Ela consegue isso através dos agora famosos aerossóis, que nada mais são do que pequenas partículas de saliva ou fluido respiratório emitidas pelas pessoas quando respiram, falam, gritam ou tossem.

Embora esteja claro que os aerossóis emitidos por pessoas saudáveis ​​não são um problema, aqueles emitidos por pessoas infectadas podem conter vírus. O problema é que eles permanecem flutuando no ar por minutos ou horas e, nesse tempo, podem se mover vários metros.

Em ambientes internos mal ventilados, os aerossóis de uma pessoa infectada são distribuídos por todo o espaço, com o risco de outras pessoas serem infectadas ao inalá-los. O ar de uma sala fechada funciona como uma piscina: se houver uma fonte que coloca água com coloração (nosso vírus) na piscina, depois de um tempo toda a água da piscina (nosso ar) terá mudado de cor. Não importa se estou perto ou longe da fonte: a água estará colorida.

Como sabemos tudo isso? Além do conhecimento pré-pandêmico da dinâmica de fluidos e aerossóis, no último ano, vários estudos foram realizados. Alguns deles detectaram o vírus SARS-CoV-2 infeccioso no ar de ambientes internos. Experimentos com animais mostraram que o contágio existe mesmo sem contato algum.

Uma máscara mal ajustada (com lacunas entre a borda da máscara e o rosto) pode ver sua eficácia cortada pela metade. Imagem: Getty Images.

Vários eventos de supercontágio — em que uma única pessoa infecta muitas — que só podem ser explicados pela transmissão de aerossol, também foram estudados.

Foi observado que ser infectado em ambientes fechados é 20 vezes mais provável do que ao ar livre, o que novamente só pode ser explicado pela transmissão de aerossol. A revista acadêmica de saúde The Lancet publicou recentemente um artigo que não deixa dúvidas quanto à importância da via de transmissão por aerossóis.

Sabe-se que as pessoas infectadas são principalmente contagiosas antes de apresentarem sintomas (pré-sintomáticos) ou quando sequer apresentam sintomas (assintomáticos). Assim, é impossível, na ausência de testes com diagnóstico imediato, confiáveis ​​e abundantes, saber quem é contagioso e quem não é. Portanto, é preciso agir como se todas as pessoas fossem. Temos que nos proteger continuamente.

A desinfecção de superfície faz sentido?

Por uma série de razões, as transmissões por superfície e por gotículas por muito tempo foram consideradas as principais formas de contágio, apesar da falta de evidências.

A transmissão por superfície ocorre quando uma pessoa toca uma superfície que contém vírus e, em seguida, toca seus olhos, nariz ou boca. As gotas são grandes partículas emitidas ao falar, tossir ou espirrar, que podem atingem os olhos, entrar no nariz ou na boca de outra pessoa. Por esse motivo, as medidas adotadas se concentraram principalmente na desinfecção de superfícies e na proteção contra gotas (distanciamento ou barreiras físicas).

Mas a realidade é que a principal transmissão é por aerossóis, também em curtas distâncias. Os Ministérios da Ciência e da Saúde da Espanha publicaram relatórios sobre a transmissão de aerossóis no final de 2020, embora as conclusões não tenham se refletido muito nas medidas aplicadas desde então.

Atividades ao ar livre devem ser promovidas. Isso implica facilitar o uso de parques e jardins e ficar de olho em ‘falsos ambientes externos’, como terraços fechados. Imagem: Getty Images.

É preciso mudar a estratégia. A descoberta da transmissão via aerossol do SARS-CoV-2 não é uma má notícia. O SARS-CoV-2 foi transmitido dessa forma desde o início da pandemia.

Ignorar isso nos levou a direcionar esforços erroneamente. Saber qual é a principal forma de transmissão do covid-19 é nossa melhor ferramenta para evitá-lo.

Vários artigos científicos refletem isso. A própria revista Nature, em seu editorial de fevereiro de 2021, pediu mudanças: “O coronavírus está no ar: há muita ênfase nas superfícies”.

Temos que fazer isso agora. Como? Mais de 100 cientistas espanhóis identificaram oito pontos-chave para acabar com a pandemia. É um consenso alcançado entre várias áreas do conhecimento como virologia, engenharia, ciências ambientais ou medicina. São explicados numa carta, promovida pelo grupo Aireamos, dirigida às autoridades competentes na Espanha, centrais e regionais.

Medidas prioritárias

1. As máscaras de uso geral precisam ser eficazes. É preciso identificar e retirar do mercado as que não o são e enfatizar a necessidade de um bom encaixe no rosto. Uma máscara mal ajustada (com lacunas entre a borda da máscara e o rosto) pode ter sua eficácia cortada pela metade. Em interiores compartilhados, incluindo, é claro, locais de trabalho, ela deve ser sempre usada, independentemente da distância entre as pessoas.

2. Atividades ao ar livre devem ser promovidas. Isso implica facilitar o uso de parques e jardins e ficar de olho em ‘falsos ambientes externos’, como terraços fechados.

3. Os espaços internos devem ser ventilados com ar externo contínua e suficientemente, usando ventilação natural ou mecânica. Na analogia da piscina, isso significa adicionar água limpa à nossa piscina de forma contínua, e gradualmente retirando a água colorida. Quanto? O suficiente para que a piscina nunca fique muito escura, apesar de a fonte com água colorida não parar.

Os critérios devem ser claramente definidos. Até a OMS publicou recomendações sobre ventilação, embora ainda não explique claramente como ocorrem as infecções.

Os espaços internos devem ser ventilados com ar externo contínua e suficientemente, usando ventilação natural ou mecânica. Imagem: Getty Images.

4. O CO₂ interno deve ser medido para verificar a ventilação adequada. O CO₂ é emitido junto com os aerossóis quando respiramos, então é um bom indicador da quantidade de ar usado em um local. É a melhor solução atualmente disponível para indicar o risco de contágio.

5. É preciso que se informe sobre a eficácia e os riscos potenciais de várias tecnologias de purificação do ar. A filtragem (filtros conhecidos como HEPA) é a tecnologia preferida para remover aerossóis respiratórios com eficácia.

6. Atenção especial deve ser dada aos centros educacionais, como escolas e universidades. São espaços com características que propiciam eventos de super contágio: muitas pessoas, muitas horas por dia e às vezes pouca ventilação.

Os centros educacionais são espaços com características que promovem eventos de super contágio. Imagem: Getty Images.

7. Devem ser desenvolvidos e aplicados critérios, procedimentos e regulamentos claros e eficazes para reduzir o risco de contágio. O primeiro pode ser um limite de 700-800 ppm de CO₂ em interiores compartilhados (até 1000 ppm se houver filtragem suficiente).

8. Informação de qualidade é a melhor defesa. São necessárias mensagens claras sobre como o vírus é transmitido e como nos proteger. É fundamental que a população entenda a lógica das regras para adotar o comportamento ideal em cada situação.

Não é difícil. Vamos fazer isso.

*Este artigo apareceu originalmente em The Conversation. Você pode ler a versão original e ver os links para estudos científicos aqui.

María Cruz Minguillón é cientista titular do Instituto de Diagnóstico Ambiental e Estudos da Água (IDAEA), do Conselho Superior de Pesquisa Científica da Espanha (CSIC).

Texto: María Cruz Minguillón / The Conversation / BBC News Brasil. Imagem: Getty Images.