Por que a “mentalidade paradoxal” é a chave para o sucesso – Parte 2/2

Imagem: BBC Worklife.

Embora os paradoxos muitas vezes nos atrapalhem, abraçar ideias contraditórias pode na verdade ser o segredo da criatividade e da liderança.*

A vida profissional freqüentemente envolve empurrar e puxar várias demandas contraditórias. Médicos e enfermeiras precisam oferecer cuidados de saúde da mais alta qualidade com o menor custo; músicos querem manter sua integridade artística ao mesmo tempo em que ganham dinheiro. Um professor tem que impor disciplina severa para o bem da classe – ser “cruel para ser gentil”.

Ser arrastado em duas direções diferentes, simultaneamente, só deve criar tensão e estresse. No entanto, algumas pesquisas empolgantes e altamente contra-intuitivas sugerem que esses conflitos podem muitas vezes trabalhar a nosso favor. Ao longo de uma série de estudos, psicólogos e cientistas organizacionais descobriram que as pessoas que aprendem a aceitar, ao invés de rejeitar, demandas opostas mostram maior criatividade, flexibilidade e produtividade. As restrições duplas realmente aumentam seu desempenho.

Os pesquisadores chamam isso de “mentalidade paradoxal” – e nunca houve melhor momento para começar a cultivá-la.

A mentalidade do paradoxo

Um estudo mais recente, publicado por Miron-Spektor e colegas em 2017, examinou os benefícios da cognição paradoxal no local de trabalho real de um grande fabricante de produtos de consumo.

A equipe de pesquisa suspeitou que a resposta dependeria das habilidades e atitudes de um funcionário, então eles primeiro elaboraram um questionário para medir a “mentalidade do paradoxo”. Os participantes foram primeiro solicitados a classificar as declarações sobre sua disposição de abraçar as contradições, tais como:

  1. Quando considero perspectivas conflitantes, ganho uma melhor compreensão de um problema
  2. Sinto-me confortável trabalhando em tarefas que se contradizem
  3. Eu me sinto animado quando percebo que dois opostos podem ser verdadeiros

Os participantes também foram solicitados a descrever com que freqüência eles experimentaram “escassez de recursos” no trabalho (a necessidade de um alto desempenho com tempo ou recursos financeiros limitados). Enquanto isso, seus supervisores tinham que avaliar seu desempenho e inovação dentro da função.

Com certeza, o estudo descobriu que a mentalidade do paradoxo do funcionário teve uma grande influência em sua capacidade de lidar com as demandas. Para as pessoas que pontuaram muito, o desafio de lidar com recursos limitados foi revigorante e inspirador, e seu desempenho realmente aumentou sob a tensão, de modo que surgiram com novas e melhores soluções para os problemas em suas funções. Aqueles sem a mentalidade do paradoxo, em contraste, tendiam a desmoronar e lutavam para manter seu desempenho quando os recursos eram escassos.

Essas descobertas podem ser especialmente importantes para os líderes, com evidências de que a mentalidade paradoxal de um gerente influencia a inovação de toda a equipe. Empresas e instituições que adotam estratégias paradoxais tendem a superar seus concorrentes.

Estudos da Toyota Motor Corporation descobriram que certos paradoxos abundam em sua cultura corporativa, incluindo o duplo objetivo de manter a estabilidade e, ao mesmo tempo, encorajar reformas constantes. (Como disse o ex-presidente Hiroshi Okuda, “Reforme os negócios quando os negócios vão bem”.) Isso resultou em um sistema de produção enxuto extremamente eficiente que outros tentam imitar. Ela também é consistentemente classificada como uma das marcas mais confiáveis ​​e tem a maior receita de qualquer montadora do mundo. A Apple, por sua vez, é bem conhecida pela inovação de design e qualidade, mas poucos estão cientes da extrema eficiência de suas operações. Essas metas combinadas permitiram que a Apple fosse a empresa mais valiosa do mundo, com uma capitalização de mercado de quase US $ 2 trilhões (£ 1,54 trilhões).

Faíscas criativas

Como podemos capitalizar esse conhecimento? Um passo óbvio, inspirado no estudo inicial de Miron-Spektor, seria simplesmente anotar quaisquer paradoxos que você encontrar – e fazer questão de contemplá-los antes de começar a resolver os problemas. Se você não tem ideias, pode examinar mais detalhadamente os paradoxos que inspiraram cientistas como Einstein e Bohr. A filosofia grega também está repleta de idéias paradoxais que podem fazer sua criatividade fluir.

Seu próprio trabalho já pode conter muitos objetivos contraditórios que podem inspirar cognição paradoxal. No passado, você pode ter presumido que precisava sacrificar um pelo outro – mas se quiser cultivar a mentalidade do paradoxo, você pode gastar um pouco mais de tempo considerando as maneiras de perseguir os dois simultaneamente. Em vez de ver os conflitos em potencial como algo a ser evitado, você pode começar a ver as demandas concorrentes como uma oportunidade de crescimento e uma fonte de motivação. (E se não houver nenhuma pressão externa, você pode criar a sua própria – perguntando, por exemplo, como você poderia aumentar a eficiência e a precisão do seu desempenho em uma tarefa específica, mesmo que apenas para um exercício de pensamento paradoxal.) Não há solução imediata, mas o próprio ato de pensar na possibilidade de reconciliar essas questões ainda pode lubrificar sua mente para uma inovação maior em outro lugar.

A perspectiva de aceitar deliberadamente demandas concorrentes pode parecer árdua, mas pesquisadores chineses mostraram recentemente que pessoas com essa mentalidade também obtêm maior satisfação com seu papel. Aparentemente, há um prazer em reconciliar dois objetivos opostos – desde que você tenha a mentalidade certa.

Estimulando sua inovação e sucesso, ao mesmo tempo que se diverte mais no trabalho? Há um paradoxo que certamente vale a pena abraçar.

Loizos Heracleous é professor de estratégia na Warwick Business School e membro associado da University of Oxford. Ele é o autor de Janus Strategy.


David Robson é o autor de A armadilha da inteligência: revolucionar seu pensamento e tomar decisões mais sábias (Hodder & Stoughton / WW Norton).

Texto: Loizos Heracleous / David Robson / BBC Worklife. Imagem: Alamy.

Tradução/Adaptação/Ênfases: Redação AlagoasHoje.com do artigo Why the ‘paradox mindset’ is the key to success, BBC Worklife.