Criminosos do PCC fogem de prisão no Paraguai

Presídio de Pedro Juan Caballero fica perto da fronteira com o Brasil

Entre os 75 fugitivos do presídio de Pedro Juan Caballero, na fronteira com o Brasil, estão diversos membros do grupo de crime organizado brasileiro Primeiro Comando da Capital (PCC).

As autoridades do Paraguai anunciaram que pelo menos 75 detidos fugiram do presídio de Pedro Juan Caballero, localizada perto da fronteira com o Brasil. Muitos deles integram o notório grupo de crime organizado brasileiro Primeiro Comando da Capital (PCC). A fuga ocorreu na madrugada deste domingo (19/01).

Na prisão foi descoberto um túnel e celas onde estavam guardados cerca 200 sacos cheios de terra. “Não é possível que ninguém tenha dado conta de nada em todo este tempo. Isto não é trabalho de um dia ou uma noite só”, comentou a ministra paraguaia da Justiça, Cecilia Pérez, ao canal de televisão Telefuturo.

Em comunicado, o ministro do Interior Euclides Acevedo sugeriu que o túnel tenha sido uma mera manobra de distração para encobrir a cumplicidade dos guardas penitenciários, e que muitos dos presos possam ter saído a pé e pela porta principal.

Autoridades suspeitam que túnel possa ser manobra de distração para encobrir a cumplicidade de guardas

As autoridades paraguaias informaram que o diretor e o chefe de segurança da prisão foram demitidos de imediato. A Polícia Nacional já iniciou uma operação de busca dos fugitivos na área de Pedro Juan Caballero, cidade localizada na fronteira com o Brasil, que é um dos centros de operações do PCC no país vizinho.

Em dezembro passado, a ministra Pérez afirmara ter informações de inteligência prisional sobre um plano de fuga ou resgate dos líderes da facção criminosa, que forneceriam uma recompensa de US$ 80 mil pela operação. A Justiça chegou a anunciar o reforço da segurança nas penitenciárias, onde já existe uma presença policial e militar, conforme a Lei de Emergência das Prisões.

A norma foi sancionada pelo presidente do país, Mario Abdo Benítez, em 8 de setembro, após vários confrontos e tumultos nas cadeias do país. Alguns dias depois, porém, escapou o chefe do Comando Vermelho no Paraguai, Jorge Samudio. À época, Benítez denunciou que havia corrupção e dinheiro envolvidos na fuga.

Diante da atual fuga, a ministra Cecilia Pérez reforçou que a luta contra o crime organizado não é apenas contra a gangue brasileira, “mas, claramente, contra toda a corrupção no interior do sistema” paraguaio, que “infelizmente, está completamente contaminado”.

Texto: DW, Alemanha/AV/efe,lusa.