Congresso aprova inquérito para o impeachment de Donald Trump

Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes, durante a sessão que aprovou o inquérito de destituição a Donald Trump, a 31 de outubro de 2019 Reuters

A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou a proposta que autoriza a próxima fase do impeachment ao Presidente, que poderá resultar na sua destituição. Donald Trump já reagiu, e denunciou na rede Twitter “a maior caça às bruxas da História americana”. O Presidente também escreveu que o processo iniciado pelos democratas prejudica a economia e as bolsas de valor norte-americanas.

Donald J. Trump@realDonaldTrump

The Greatest Witch Hunt In American History! “A maior caça às bruxas da história americana!”, tweetou. Num tweet imediatamente anterior, Donald Trump referiu-se à investigação como um “embuste”.

Donald J. Trump@realDonaldTrump

The Impeachment Hoax is hurting our Stock Market. The Do Nothing Democrats don’t care! “O embuste da destituição está a prejudicar o nosso Mercado de Valores. Os democratas que nada fazem não se importam!”, acusou.

A Casa Branca, em comunicado, reagiu classificando o inquérito como “iníquo, anticonstitucional e fundamentalmente anti-americano”.

A moção para o impeachment recebeu 232 votos a favor e 196 contra.

Os representantes do Partido Democrata querem provar que o Presidente usou o cargo em seu próprio benefício, pressionando o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy, a investigar o candidato presidencial, Joe Biden, e a conduta do filho deste naquele país.

Biden foi vice-presidente de Barack Obama e é um dos candidatos mais bem posicionados para ganhar a corrida da escolha democrata para a presidência em 2020.
Não é a primeira vez que o Partido Democrata tenta encontrar provas de abusos do cargo por parte de Trump ou de má conduta durante a campanha de 2016, em que foi eleito.

Até agora, nenhum inquérito abriu caminho ao impeachment do Presidente. No atual processo, Donald Trump chegou já a falar de uma tentativa de “golpe de Estado”.

O processo

A nova fase do inquérito implica que as audiências das testemunhas no Congresso passem a ser públicas. Até agora, todas foram ouvidas à porta-fechada pelos Comitês de Informações, Negócios Estrangeiros e de Supervisão e Reformas.

Os congressistas democratas deram início à investigação dia 24 de setembro, para determinar se Donald Trump abusou do cargo durante um telefonema em 25 de julho com o Presidente ucraniano.

Um denunciante afirmou, meses depois, que Donald Trump pressionou Zelenskiy a investigar Joe Biden e o filho, sob ameaça de reter auxílio financeiro.

O testemunho de responsáveis próximos de Trump, presentes e passados, uma transcrição do telefonema publicada pela Casa Branca, mensagens trocadas entre diplomatas norte-americanos e outros documentos, têm geralmente confirmado as alegações do denunciante.

O Presidente nega qualquer má conduta, afirmando que nunca pressionou o seu homólogo ucraniano. Volodymyr Zelenskiy já disse que nunca se sentiu pressionado.

Texto: Graça Andrade Ramos/RTP, Portugal. Foto: Reuters.