Abandonados pelos EUA na Síria, curdos encontram novo aliado no inimigo americano

In northeastern Syria on Sunday, a funeral was held for a Kurdish political leader, civilians and Kurdish fighters.CreditCreditDelil Souleiman/Agence France-Presse — Getty Images

Sob fogo das forças turcas, a milícia que lutou contra o ISIS decidiu abraçar uma aliança com o governo Sírio apoiado pela Rússia.

DOHUK, Iraque – Forças curdas aliadas há muito tempo aos Estados Unidos na Síria anunciaram um novo acordo no domingo com o governo de Damasco, um inimigo jurado de Washington apoiado pela Rússia, à medida que as tropas turcas se aprofundavam em seu território e o presidente Trump ordenou o retirada das forças armadas americanas do norte da Síria.

A mudança repentina marcou um grande ponto de virada na longa guerra da Síria.

Durante cinco anos, a política dos Estados Unidos se baseou em colaborar com as forças lideradas pelos curdos, tanto para combater o Estado Islâmico quanto para limitar a influência do Irã e da Rússia, que apóiam o governo sírio, com o objetivo de manter alguma influência sobre qualquer solução futura de o conflito.

No domingo, depois que Trump abandonou abruptamente essa abordagem, a influência americana quase desapareceu. Isso ameaçou dar à mão do presidente Bashar al-Assad e seus apoiadores iranianos e russos. Também comprometeu ganhos conquistados com muito esforço contra o Estado Islâmico – e potencialmente abriu a porta para seu retorno.

O acordo dos curdos com Damasco abriu caminho para que as forças do governo retornassem ao nordeste do país pela primeira vez em anos para tentar repelir uma invasão turca lançada depois que o governo Trump retirou as tropas americanas do caminho. A retirada já provocou caos e derramamento de sangue.

O anúncio do acordo na noite de domingo encerrou um dia de desenvolvimentos complicado marcada por rápidos avanços das forças apoiadas pela Turquia e pela fuga de centenas de mulheres e crianças ligadas ao Estado Islâmico de um campo de detenção. Quando as tropas americanas foram remanejadas, duas autoridades americanas disseram que os Estados Unidos não conseguiram transferir cinco dúzias de detidos do Estado Islâmico de “alto valor” para fora do país.

As forças apoiadas pela Turquia avançaram tão rapidamente que tomaram uma estrada importante, complicando a retirada americana, disseram autoridades.

Leia artigo completo em inglês no site do Washington Post AQUI.

Texto: Ben Hubbard reported from Dohuk Iraq, Charlie Savage and Eric Schmitt from Washington and Patrick Kingsley from Istanbul. Carlotta Gall contributed reporting from Akcakale, Turkey, Peter Baker from Washington, Hwaida Saad from Beirut, Lebanon, and Iliana Magra from London.