Hong Kong: manifestantes dizem que não basta anulação de projeto

    Os protestos contra o governo prosseguem em Hong Kong, um dia depois do anúncio, feito pela chefe do Executivo, Carrie Lam, do arquivamento definitivo do controvertido projeto de lei de extradição.

    Nessa quinta-feira (5), a chefe do Executivo do território semiautônomo recebeu mais uma vez a mídia para pedir diálogo aos manifestantes. Carrie Lam afirmou: “Precisamos encontrar meios de resolver o descontentamento na sociedade e buscar soluções.”

    Ela defendeu a decisão de arquivar o projeto, argumentando que atendeu a todas as reivindicações do movimento.

    Lam concedeu a entrevista coletiva enquanto alguns alunos de escolas do segundo ciclo do fundamental e do ensino médio formavam uma corrente humana antes das aulas. Eles prometem se manter unidos e continuam a exigir do governo o atendimento de todas as suas demandas.

    Mesmo após o anúncio feito por Lam de abandono do projeto, continuam os confrontos entre a polícia e manifestantes.

    Desencadeador de meses de protestos, o projeto de lei de extradição autorizava o envio de acusados de crimes para julgamento na China continental. Contudo, os manifestantes também querem mudanças mais abrangentes, incluindo a renúncia da chefe do Executivo.

    A imprensa de Hong Kong apresentou diferentes interpretações do anúncio de Carrie Lam. O jornal Ta Kung Pao, pró-China, afirmou que Lam ofereceu um ramo de oliveira, enquanto o The Apple Daily, crítico de Pequim, concluiu que a governante simplesmente retirou uma má legislação e ignorou mais quatro reivindicações fundamentais.

    Texto: Agência Brasil/NHK (Emissora pública de televisão do Japão)